Hérnia define-se como a protusão (saída ou saliência) de um órgão ou parte dele (intestino delgado, intestino grosso, tecido adiposo…) através de uma abertura ou orifício na parede da cavidade abdominal;

Hérnia Inguinal é o resultado da passagem do conteúdo intra-abdominal através de um orifício adquirido (mais no adulto) ou congénito na parede da região inguinal que pode ocorrer num lado ou bilateralmente.

Clinicamente, a parte importante da definição de hérnia é a protrusão, porque sem ela o diagnóstico de hérnia é praticamente impossível. Anatomicamente, encontramos o orifício da hérnia (defeito na camada aponevrótica mais interna do abdómen), o saco da hérnia (saliência sacular do peritoneo) e o colo da hérnia (corresponde ao orifício da hérnia).

O tamanho de uma hérnia é determinado pela dimensão do colo e pelo volume do saco distendido. Chama-se externa se o saco protrude completamente através da parede abdominal, intraparietal se o saco se encontra contido na parede abdominal, e interna se o saco está dentro da cavidade abdominal.

Quando a víscera protrudida consegue voltar, espontaneamente ou não, para a cavidade abdominal diz-se que se trata de uma hérnia redutível, caso contrário denomina-se irredutível. Uma hérnia estrangulada é aquela em que a vascularização da víscera protrudida está comprometida, normalmente ao nível do colo do saco; é mais comum acontecer em hérnias com pequenos orifícios e com sacos relativamente volumosos; o estrangulamento é sempre grave, mesmo fatal, e é a principal razão para a correcção de hérnia. Contudo, é necessário referir que uma hérnia irredutível não é sinónimo de hérnia estrangulada. É frequente nas hérnias que aparecem muito cedo na vida de um indivíduo e que são muito volumosas, haver perda de direito ao domicílio, isto é, o abdómen adaptou-se à situação de conteúdo muito reduzido, Quando se tenta reduzir a hérnia, ou é impossível ou pode surgir uma falência cardíaca ou respiratória, visto que o organismo está desadaptado para um conteúdo abdominal tão volumoso.

As hérnias da parede abdominal ocorrem apenas em áreas onde as aponevroses e fáscias estão desprovidas do suporte protector do músculo estriado. Muitos destes locais estão normalmente presentes, mas alguns podem ser adquiridos através de atrofia muscular (grandes restrições proteicas) ou cirurgia. Sem uma força compensatória, as áreas aponevróticas nuas de músculo estriado, estão sujeitas aos estragos da pressão intra-abdominal e cedem, deteriorando-se.